Novidades

Novidades

Artigo | Energia hidrelétrica, uma fonte renovável gerada pelo ciclo da água

14/09/2022 Artigo | Energia hidrelétrica, uma fonte renovável gerada pelo ciclo da água

Por Ana Carolina Vieira Werle

Com o aumento mundial do investimento nas fontes eólica e solar, os operadores de redes elétricas se veem diante da maneira por meio da qual será possível equacionar a intermitência dessas renováveis. Tanto a IEA (International Energy Agency) como a IRENA (International Renawable Energy Agency) não hesitam em apontar as hidrelétricas como uma alternativa. 

Hoje a energia hidrelétrica é considerada a maior fonte de energia renovável do mundo, com China, Brasil, Canadá, EUA e Rússia entre os principais produtores.

Todavia, dependendo da configuração, essas usinas demandam de largas extensões para alagamento e isso compromete fluxos migratórios de peixes e localidades ribeirinhas. Um exemplo do impacto ambiental de grandes centrais hidrelétricas a Barragem de Tucuruí provocou a desapropriação de terras indígenas próximas e, concomitantemente a perda de recursos pesqueiros para sua subsistência. No segundo ano após a sua conclusão, o total da captura de peixes foi três menor do que os níveis antes da criação da represa, algo que, até hoje, não foi reestabelecido. Isso, somado a má relocação de algumas partes desse povo, de outros riscos biológicos, fez com que o governo brasileiro fosse condenado por má conduta e falta de responsabilidade legal com os impactos ambientais e sociais pelo Tribunal Internacional de Águas em 1991.

Mesmo com contrapartidas das fontes eólica e solar, a capacidade mundial de geração hidrelétrica beira aos 1327,7 GW segundo o IEA, com o Brasil responsável por 110,4 GW. Apesar de sua redução na participação na matriz energética para 64,9%, em comparação a 87% nos anos de 1990,  o Brasil ainda desponta com uma grande dependência hídrica em sua matriz elétrica.  No cenário mundial, a China lidera os números de maior potência instalada, principalmente com a Barragem de Três Gargantas, que possui uma capacidade de 22.500MW, a maior do mundo. As estimativas são de um domínio chinês no cenário cada vez mais evidente, com a criação de mais de 21 MW de potência instalada em 2021, aliadas com a inauguração de uma parte das turbinas da usina de Baihetan, que, quando completa, será a segunda maior hidrelétrica do mundo, com 16.000MW. 

A World Energy Transitions Outlook (WETO), lançado em março de 22, a IRENA sugere que, para atingir as metas climáticas, a capacidade instalada de energia hidrelétrica, incluindo armazenamento bombeado, deve mais que dobrar até 2050 de 1,3 TW para 2,9 TW”. A WETO estima os investimentos necessários em energia hidrelétrica convencional em torno de US$ 85 bilhões por ano.

A IRENA está trabalhando em um relatório especial sobre energia hidrelétrica, destacando os principais desafios para fechar a lacuna na capacidade hidrelétrica global e áreas prioritárias de ação. Apresentando as conclusões cruciais do relatório preliminar a IRENA disse que a maioria das plantas existentes está chegando ao fim de suas vidas úteis e enfrenta consequências operacionais e financeiras.

Em vez de aposentar, há muitas oportunidades para atualizar essas instalações antigas com a tecnologia atual e aumentar a eficiência operacional. A maioria das usinas hidrelétricas foi planejada, projetada e construídas para operar em condições diferentes das atuais, o que implica em reformas e modernização substanciais para atender às necessidades dos sistemas de energia atuais, diz o relatório.

Para novos projetos hidrelétricos, a WETO sugeriu que é importante minimizar o impacto social e ambiental negativo das usinas sem comprometer sua capacidade de gerar eletricidade e fornecer serviços auxiliares e de água. “Os impactos ambientais são inevitáveis, mas podem ser minimizados ou compensados ​​por benefícios adicionais trazidos pelas tecnologias modernas”, acrescenta.

Mesmo o cenário chinês seguindo um sentido contrário aos demais países, as estimativas mundiais são de um investimento maior em tecnologias intermitentes de grande geração como as eólicas, e de baixo impacto, como a solar. Por enquanto, ainda é necessário o auxílio de tecnologias emissoras de carbono, como as termelétricas a gás natural, para corresponder à demanda mundial. O fato é que sem hidrelétricas, a base tem de ser térmica- a gás natural ou em óleo combustível para segurar a intermitência de outras fontes.  

A energia hidrelétrica é uma fonte renovável de energia. A energia gerada por meio da hidrelétrica depende do ciclo da água, que é impulsionado pelo sol, tornando-se uma fonte limpa de energia.